Paradigma significa “padrão ou exemplo ” que pode ser um conceito ou um preconceito estabelecido em uma sociedade, na empresa ou na família.

Dependendo do grupo que você está inserido, quebrar um paradigma pode ser uma missão quase impossível visto o esforço que deve ser considerado.

Segundo um estudo da IBM, 60% dos projetos em uma empresa não são implantados pela resistência à mudança. Depois de implantado temos ainda um segundo desafio, manter e lidar com o novo! Imagine as oposições que podem surgir! Einstein já dizia: “ É mais fácil quebrar um átomo que um preconceito”.

Se pensarmos na perspectiva das empresas, considerando que 95% dos Gestores estão insatisfeitos com o processo de gestão de desempenho, o que exatamente as pessoas estão fazendo diferente para liderar essa mudança?

Na minha opinião, pouco. Muitas teorias e dificuldades justificam a não mudança. Entre elas, as que mais tenho ouvido são: tempo, falta de orçamento, pouco acesso a informação relevante, falta de um modelo que considere a cultura e realidade da empresa, etc.

Mas o fato de não implantarmos a mudança acabamos vivendo nas empresas o Paradoxo de Abilene, em que todos estão insatisfeitos com o modelo mas nada fazem para mudar o status quo. Uma contra produtividade organizacional imensa! O medo e a falta de uma política que permita uma abertura na relação, são ingredientes adicionais para essa falta de iniciativa.

Quero mudar, o que preciso fazer?

Quebrar paradigmas requer um esforço enorme de quem lidera essa iniciativa. Uma vez tomada a decisão da mudança a lista de ações a serem tomadas é enorme. Mas se voce não tem tempo e estrutura de pessoal foque pelo menos em um item: Gerenciamento de Stakeholders.  Sobre esse tema tenho 3 dicas:

1º – Realize o mapeamento de todos os stakeholders, informações como área, tempo de empresa, movimentação interna, histórico de envolvimento em outros projetos e cargo são muito relevantes

2º – Elabore um plano de relacionamento com cada pessoa, seja ela resistente ou não ao projeto. Considere planos operacionais como reuniões, apresentações iniciais  (antes de iniciar o projeto – aqui você vai plantando a sementinha da mudança), envolver as pessoas no projeto e traçar rotinas de visão

3º – Execute e acompanhe seu plano de ação de forma rigorosa com todos envolvidos.

Após a implantação do novo modelo, estruture um plano de comunicação que dê sustentabilidade à idéia e principalmente continue a realizar o acompanhamento dos stakeholders, eles garantirão a perpetuidade do seu projeto.